Por: Rita Ramos Cordeiro

Disse Jesus: “Não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita.” e esta bela frase nos ensina que não devemos ostentar o bem que realizamos ao próximo, que devemos fazê-lo sem esperar nada em troca.

Esta verdade irrefutável nos faz lembrar que existem pessoas que praticam a caridade em benefício próprio para levar vantagem na promoção realizada.

Em dias tão conturbados como os de hoje os valores foram trocados, e o foco geral se centralizou na violência, corrupção, maldade, entre outros, e com isso a negatividade do que pensamos e compartilhamos atravessa o Universo, que nos devolve em dobro. E o bem, que deveria ser algo natural, aparentemente se torna raro.

Para ajudar a divulgar o bem muitas pessoas que são as chamadas formadoras de opinião que tem grande carisma,  que através de palavras e ações encantam, e atraem pessoas próximas para si, emprestam sua imagem na divulgação do bem.

São personalidades públicas, como Lady Diana, Angelina Jolie, e outros menos conhecidos que fazem parte de nosso dia a dia bem próximo a nós, em nosso bairro ou comunidade.

São pessoas que lutam por uma causa benemérita ou promovem um objetivo maior e coletivo. Não são perfeitas, são pessoas como qualquer um de nós que se esforçam em vencer suas más tendências procurando auxiliar o próximo.

Na atual situação evolutiva que vivemos temos o hábito de fazer julgamentos pré-concebidos formando opiniões sem conhecer a fundo quem apontamos o dedo.

A Espiritualidade Maior em sua infinita sabedoria analisa o conjunto completo do ser humano, e não apenas seu exterior. Conhece a fundo a essência de sua criação, e quando vê o bem no conjunto da obra, movimenta energias que são encaminhadas pelo Universo para colaborar com sua boa vontade e sinceridade. E aqui podemos utilizar esta frase para exemplificar: “Quando o trabalhador está pronto o trabalho aparece”.

E quanto há trabalho para ser desenvolvido e praticado para o bem! Acostumados a ficar em nossa zona de conforto envolvidos em nossos próprios problemas, não perceba a infinidade de trabalho a ser feito.

Alguns tarefeiros de Jesus tem a tarefa de trabalhar anonimamente, outros aparecem na linha de frente das causas humanitárias colaborando na divulgação do bem.

Já outros tarefeiros trabalham em grupo, e formam Instituições sem fins lucrativos pensando apenas em auxiliar o próximo, sendo em sua grande na maioria, de trabalho e trabalhadores que desconhecemos.

 

Um claro exemplo disso está bem próximo a nós. Conhecemos as Instituições Beneficentes de nossa cidade? Sabemos seus nomes, seus objetivos, e o que fazem?

Na maioria das vezes acreditamos que estas Instituições não necessitam de ajuda, porém, não conhecemos a engrenagem que as fazem funcionar.

Não conhecemos sua história e suas dificuldades, mas chegamos a conclusão, que por receber certa ajuda do poder público é suficiente para mantê-la.

Este é um dos maiores enganos que cometemos, pois, preferimos julgar sem procurar conhecer o cerne de nosso julgamento. Preferimos emitir opiniões, mas não voltamos os olhos para dentro de nós mesmos.

Já dizia Martin Luther King: “ O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons.”

Os tarefeiros de Jesus em sua grande maioria mesmo sendo anônimos estão em todos os cantos do mundo, sustentando a máxima de que o bem é maior que o mal, mas infelizmente são pouco divulgado.

Chegou o momento de arregaçarmos as mangas, e sair de nossa zona de conforto para não somente praticar, mas também divulgar o bem.

Lembramos que a verdade jamais escapa ao tempo e ao Pai da Vida, e o mal não se sustenta por muito tempo.

A máscara que ostentamos num determinado momento da vida cairá, mas em momento algum nada escapa ao conhecimento que a Providência Divina tem do conjunto completo da obra, que Ele mesmo criou, e que somos nós!

Cadastre-se em nosso informativo

CAPTCHA