Entrevista com Luiz Gonzaga Pinheiro

Luiz Gonzaga Pinheiro é natural de Fortaleza-CE, onde exerce a profissão de professor da rede Estadual e Municipal de Ensino no Estado do Ceará. É casado com Romélia e tem dois filhos, Victor Emmanuel e Lívia. Além de sua atividade profissional, é palestrante e doutrinador no Centro Espírita Grão de Mostarda, e também escritor de 24 livros publicados.

Há quanto tempo é espírita?
Reencontrei o Espiritismo há mais de 40 anos. Digo reencontrei, pois nunca tive dificuldade de entender e de admirar seus postulados.

Como você conheceu o Espiritismo?
Conheci o Espiritismo por curiosidade. Desde pequeno, apesar de ter nascido em família católica, sempre quis conhecer as atividades de uma casa espírita. Na adolescência realizei este desejo

Qual o Centro Espírita que é vinculado e há quanto tempo?
Sou vinculado atualmente ao centro Espírita Grão de Mostarda, em Fortaleza, há mais de vinte anos

Qual sua atividade dentro da Centro Espírita?
No Centro Espírita sou Palestrante e doutrinador


Você é palestrante e doutrinador, como iniciou este trabalho?
Na Mocidade espírita também frequentava reuniões mediúnicas. O doutrinador desencarnou e o dirigente espiritual ordenou-me substituir o desencarnado. Na ocasião deu-me um sábio conselho: use a disciplina e a caridade com o cuidado para que a disciplina não atropele a caridade nem a caridade amoleça a disciplina. É o que tento fazer até hoje. Quanto a ser palestrante senti-me na obrigação de compartilhar o que estava aprendendo

Como surgiu a ideia de escrever livros doutrinários e de mediunidade?
Amigos espirituais sempre me avisaram que eu tinha uma tarefa na área da literatura espírita. Quando escrevi o primeiro livro, “Terapia das Obsessões” uma amiga solicitou ao Divaldo Franco levá-lo para dar um parecer. O orador recusou-se dizendo ser muito ocupado com viagens e tarefas doutrinárias, mas concordou em levá-lo para dar uma opinião anos depois. No outro dia ele devolveu o livro com comentários dizendo ter chegado ao otel e Doutor Bezerra haver solicitado que ele lesse, comentasse e o devolvesse no outro dia.

Quantos livros você tem publicado e quais são?
Tenho 24 livros publicados na área espírita. São eles:

Terapia das obsessões
Pérolas da infância
Mediunidade
Tire suas dúvidas
Vinte temas espirita empolgante
Um espaço para os miosótis
Diário de um doutrinador
Histórias deste e do outro mundo
O perispírito e suas modelações
Sob a luz de Aldebarã, Espiritismo e justiça sócia
Doutrinação
A arte do convencimento
Doutrinação – diálogos e monólogos
Os semeadores da verdade
Mediunidade – temas indispensáveis para os espíritas
Mediunidade – aprendizado fundamental sobre desobsessão
Mediunidade – homens e fatos que fizeram história
O amor está entre nós
Desobsessão – a terapia dos imortais
Obsessão – encontro marcado com a dor
Caçadores de ilusões
Obsessão sexual uma porta para a loucura
O homem que veio da sombra
O drama de um desconhecido
Apelos do tempo.

Como você concilia ser pai e marido, com seu trabalho profissional, seu trabalho na seara espírita e como escritor?
Sou muito ocupado, mas tenho a compreensão da minha esposa sobre este fato. Quantos aos filhos são casados, autônomos e vivem em outros lares. Como a prioridade número um em minha vida é a doutrina, todos os que convivem comigo entendem este fato e o aceitam naturalmente. Até mesmo no trabalho, amigos me substituem quando preciso viajar para fazer palestras.

Nota-se pelos relatos em seus livros, que o grupo mediúnico que você participa é coeso e disciplinado. Como vocês lidam com o assédio dos espíritos inferiores?
Todo grupo que se dedica ao bem tem, naturalmente a oposição daqueles que não o aceitam. Conseguimos uma razoável proteção espiritual que soubemos conquistar com disciplina, trabalho e estudo e esforçamo-nos para exercer certa vigilância sobre os hábitos e atitudes no cotidiano. Todavia, sabemos que se nos descuidarmos seremos atingidos de alguma maneira pelos que nos vigiam constantemente.

O Espiritismo tem muitos inimigos, encarnados e desencarnados que tentam desestruturar as Casas Espíritas que seguem o apostulado de Jesus, como você vê esta questão e como se prevenir disso?
A prevenção contra as investidas de irmãos que procuram atingir as tarefas dos Centros Espíritas pode ser expressa pelas palavras de Emmanuel: uma boa maneira de nos previrmos contra as investidas das sombras é a oração pela qual nos lembramos Deus e o trabalho pelo qual nos esquecemos de nós. O trabalho, sobretudo, é importantíssimo. O melhor local de sermos encontrados pelos bons Espíritos é nele.

Nós conte um pouco sobre o espírito Luiz Tibiriçá e há quanto tempo convive com ele?
Convivo com Luiz Tibiriçá, nesta encarnação, desde o dia em que comecei a doutrinar. O dirigente espiritual disse-me ao entregar a tarefa de doutrinador que eu teria um grande amigo ao meu lado para auxiliar nessa tarefa, Desde esta data, jamais ele esteve ausente em uma reunião dirigida por mim. Mas o conheço de antes, quando fui índio e éramos irmãos de sangue.

Como deve ser a disciplina e responsabilidade de um médium que se candidata ao trabalho mediúnico?
A disciplina para qualquer trabalhador mediúnico deve ter a mesma prioridade que Emmanuel imprimiu à missão de Chico Xavier como condição para sua assistência, qual seja: disciplina, disciplina e disciplina

Na sua opinião, como caminha o estudo da codificação de Allan Kardec, nas atuais Casas Espíritas?
Kardec continua sendo o grande desconhecido por largas parcelas de aprendizes da Doutrina. Muitos o lêem, mas estudar é diferente de ler. Falo de senso crítico, de aprofundamento, de pesquisa, e não apenas do deleite de uma boa leitura.

Muitas Casas Espíritas já aboliram os grupos de desobsessão por não verem mais necessidade deste trabalho. Como você vê esta questão?
Nunca a desobsessão foi tão atual e necessária. Abandonar a desobsessão é dar mostra de desconhecimento da Doutrina e pactuar com os inimigos e detratores do Espiritismo. Só a ignorância sobre a essência espírita pode engendrar uma aberração desta natureza.

Deixe uma mensagem final para nossos leitores sobre a questão da obsessão e de como prevení-la.
A mensagem que poderia deixar é que estudem a Doutrina que escolheram como ideal de vida. Amai-vos e instrui-vos, disse o Espírito de Verdade. Sem amor e instrução seremos surdos e cegos aos apelos do bem e presas fáceis as induções do Mal.

Por: Rita Ramos Cordeiro 

Cadastre-se em nosso informativo

CAPTCHA