Por: Rita Ramos Cordeiro
 
Tristezas, frustrações, decepções, expectativas, são alguns dos sentimentos que o ser humano carrega dentro de si.
 
São ervas daninhas que crescem em nosso interior, tomando-nos forças, sonhos, coragem e determinação.
 
Entregamos nossos sonhos, felicidade e expectativas nas mãos de quem amamos, esperando que nos façam felizes e nos realizem como ser humano.
 
Este é um engano muito comum das pessoas que ainda não aprenderam a amar.
 
Pessoas que lutam em busca da felicidade, desconhecendo que ela encontra-se dentro de si mesmo.
 
Buscam a paz em suas vidas, tentando se desvencilhar do vazio que toma conta de seu íntimo.
 
Desconhecem que a paz interior é a posse da consciência tranquila, é conquistada pela perseverança em vencer as más tendências e pensamentos negativos que se transformam em sombras, quando não se tem a fé e esperança no Criador.
 
Desconhecem que amar a si mesmo e ao próximo é o maior alimento da alma.
 
Procuram o amor e felicidade distantes de si, quando o possuem como tesouros escondidos.
 
Vivem para os que amam, desconhecendo que a realização íntima está dentro de si mesmo.
 
Ficam a espera do reconhecimento alheio, quando apenas o prazer de amar e servir deveria guiar seus passos.
 
É neste momento que surgem as decepções, frustrações, tristezas.
 
Quando a expectativa de ser amado e valorizado, deixa que a fragilidade seja maior que a determinação e a fé no Pai da Vida.
 
Muitos alegam serem imperfeitos demais para amar incondicionalmente, desculpando a si mesmos pela inércia e omissão, ao se declararem viver numa Terra de provas e expiações, onde muito ainda tem a aprender.
 
É fato que a Terra é um planeta de provas e expiações a caminho de um mundo de amor e regeneração, mas também é fato que para se conquistar a paz interior, amar ao próximo como a si mesmo, é necessário se conhecer profundamente, deixando cair todas as máscaras.
 
O amor incondicional é possível ser conquistado ainda nesta existência, aprendendo a amar desinteressadamente, sem exigir nada em troca.
 
É necessário para isso um trabalho árduo e constante, admitindo que o erro faz parte da vida, como a correção destes mesmos erros, e o esforço em se tornar melhor a cada dia, deve ser a prioridade para vencer más tendências.
 
Deixando de lado o egoísmo para aprender a servir e amar com desprendimento, fará a decepção, frustração, mágoas e ressentimentos deixar de existir.
 
Assim, a mansuetude e a paz virá naturalmente, para vivenciar e praticar a solidariedade e fraternidade, agradecidos pela benção de mais uma existência que nos foi concedida pelo Pai da Vida, para aprendermos a amar, servir incondicionalmente, crescer espiritualmente e ser feliz.
 

 

Cadastre-se em nosso informativo

CAPTCHA