Por: Rita Ramos Cordeiro

É sempre mais fácil delegar a Deus a responsabilidade dos afastamentos afetivos quando temos o livre arbítrio para escolher ficar ou partir, salvo as exceções de partidas definitivas como a morte.

Em qualquer outro caso a escolha é sempre do ser humano, senão nossa, mas do outro.

 

Por mais que se diga que não houve opção, sempre há uma opção.

O orgulho é a maior erva daninha da grande maioria dos afastamentos, porque impede a reconciliação. Muitos tem dificuldades de pedir desculpas ou abrir mão da razão em prol do amor, ou amizade de alguém.

Outros necessitam de afastamentos temporários para reorganizar a alma e o coração, já outros escolhem o afastamento por simples egoísmo, mas cabe a cada ser humano fazer as escolhas que quiser.

Por mais que Deus tenha uma visão mais ampla de todo o contexto, são os seres humanos que fazem as escolhas e mesmo nestes casos de uma amplitude maior, tudo pode mudar pelo uso do livre arbítrio.

Deus não afasta as pessoas, apenas coloca a seu dispor todas as ferramentas para escolher o caminho que mais se afine com determinados momentos da vida, que podem causar ou não sofrimento.

E quando não está ao nosso alcance mudar determinadas situações, sempre temos a escolha do que fazer com nossos sentimentos e emoções. A escolha é nossa!

Sobre mim

Eu, Rita Ramos Cordeiro, Escritora, articuladora, redatora, diretora de divulgação e marketing.

Leia mais

Contato

Entre com contato comigo

Clique aqui

.