Segunda, 10 Dezembro 2018 02:04

A felicidade do natal


Por: Rita Ramos Cordeiro

E finalmente chegou o mês do ano que mais amo! E assim foi durante toda a minha vida!

Há algumas décadas, o prazer do Natal para mim sempre foi o brilho e a alegria das festas natalinas ao lado da família e amigos.

 Meu prazer naquela época, porque era barato, era comprar muitos presentes para meus sobrinhos amados.

Ia na extinta fábrica Mimo, quem se lembra dela? E fazia a maior festa com brinquedos baratinhos, mas que brilhavam os olhos da sobrinhada.

Era gratificante sentar no chão com as crianças ao lado da árvore de Natal e vê-las abrir aquele mundo de presentes.

A preparação da ceia de Natal e ano novo então era um delírio.

Ficava eu o dia todo na véspera de Natal e ano novo fazendo os quitutes para ver a família devorar em segundos. E assim sempre foi. Sim, sempre tínhamos um Natal alegre e festivo, mas eu não podia dizer que conhecia a felicidade naquela época, isso só veio a acontecer bem mais tarde.

Os sobrinhos cresceram e a tia cresceu junto. Amadureci, mudei minhas prioridades e deixei de ver todas estas pequenas alegrias como a felicidade almejada.

Há exatos 22 anos eu quis dar um rumo a minha vida. Fazer algo que realmente me desse a felicidade que eu sempre busquei nesta época do ano e apesar de tantos momentos felizes, ainda não havia encontrado.

Fui encontrar esta felicidade tão almejada há 22 anos atrás, quando comecei a me dedicar ao voluntariado e não poderia ter sido em melhor estilo.
Junto com um grupo de amigos, na véspera de Natal fomos no hospital local da cidade, com nossas toquinhas de Natal, violão em punho, nossa bela voz e passeamos por todo o hospital cantando lindas músicas natalinas.

Foi um momento para guardar na memória e no coração pelo resto da vida.

Vimos mães com seus filhos pequenos na pediatria, pacientes acamados na ortopedia, se recuperando de uma cirurgia.

Pessoas passando mal enquanto aguardavam atendimento no Pronto Socorro. Pessoas doentes na Clínica Médica.

Pacientes isolados por doenças graves e abnegadas enfermeiras se dedicando a todos eles.

Ver o sorriso se abrir no rosto de todas estas pessoas ao escutarem uma música de Natal chegando, não tem preço!!

Realmente foi a noite mais emocionante e mais feliz que eu podia ter no meu Natal. Encontrei a tão famosa felicidade que buscava!

Depois disso não parei mais, mas me dediquei exclusivamente às crianças.

Voltei a outras fábricas de brinquedos, desta vez não para comprar brinquedos para meus sobrinhos, mas para muitas crianças!

Ver o sorriso de felicidade no rostinho de dezenas de crianças ao ganhar um presente de Natal não tem preço.

Ouvir o coro de Natal nas vozinhas doces daqueles pequeninos é a maior felicidade que alguém pode querer na vida.

Aqueles pequeninos se tornaram adultos, já estão encaminhados na vida e lembrar que fiz parte da vida delas durante muitos anos e muitas festas natalinas, é a maior felicidade que alguém pode querer.

Então, quando alguém me diz que está em busca da felicidade, eu costumo dizer que a felicidade está no sorriso e na alegria daqueles que precisam de nosso amor, da nossa solidariedade e fraternidade e que não há dúvida nenhuma que é possível ser feliz sim!!!